Central de Agendamento: 11 2410-1400 Ouvidoria: 11 4414-6006         Imprensa



O aleitamento materno

Assim como gerar o bebê, o aleitamento é um ato de amor. Um momento único quando mãe e filho compartilham emoções. Mas é importante preparar-se durante a gravidez para que nada estrague esse prazer:

  • Massagens circulares nas mamas e mamilos durante o banho usando em seguida cremes hidratantes.
  • Uso de buchas vegetais macias ou toalhas felpudas para massagens suaves nos mamilos.
  • Tomar sol matinal das 8 às 9 horas por mais ou menos 20 minutos quando possível.
  • Cortar os soutiens na região dos mamilos para deixá-los em contato com roupas mais grosseiras.

Aleitamento Materno

Clique na imagem e confira como participar!

Recomendações dietéticas durante a lactação

A lactação provoca no organismo materno, uma demanda similar à da gestação. A alimentação da lactante deve ser mantida como durante a gestação, a fim de satisfazer as necessidades da criança, que aumenta de peso e começa a crescer ativamente.

A quota diária de leite deve ser, em média, de 1 litro e meio a fim de satisfazer as necessidades de proteínas, cálcio, fósforo e vit. B12 porque a mãe normalmente acumula reservas de cálcio e proteínas durante a gravidez, as quais são utilizadas durante o período de lactação. Quantidades liberais de vegetais e frutas cítricas atenderão ao aumento dos requisitos de vit. A e vit. C.

Um aumento na ingestão de líquidos é também recomendado devido ao seu efeito benéfico para uma amamentação bem sucedida. Durante a lactação, o requisito energético aumenta consideravelmente em relação aos requisitos normais, na proporção do valor calórico do leite secretado e do gasto energético exigido para sua elaboração. Dessa forma, pães, cereais, macarrão, batata e gorduras adicionais, à escolha da mãe, deverão ser incluídos na dieta, com moderação.

Quanto ao horário das refeições, este precisa ser estabelecido de maneira que não interfira com as mamadas, a fim de garantir a tranqüilidade indispensável ao ato da amamentação. O hábito alimentar equilibrado está intimamente relacionado com o desenvolvimento de todo organismo saudável.

Aleitamento materno

É incontestável o valor do leite materno. Provavelmente nenhum outro fator, isoladamente, terá papel tão decisivo para a condição nutricional das crianças no primeiro semestre de vida. Além disto, o aleitamento representa um ato de amor, um estreitamento da relação mãe-filho que, como todo sentimento, não pode ser substituído por qualquer outra prática alimentar.

Durante as primeiras mamadas, o organismo da mãe produz o que chamamos de colostro, líquido espesso, de coloração amarelada e importantíssima para a proteção contra infecções e alergias. Esse colostro vai se modificando até o final do primeiro mês, quando o leite materno já tem todos os seus componentes estabilizados (proteínas, gorduras, carboidratos, sais minerais e vitaminas). Podemos citar algumas vantagens do aleitamento materno:

  • Digestão – o leite materno é fácil de ser digerido, e está de acordo com a "imaturidade" do aparelho digestivo do recém nascido, não o sobrecarregando.
  • Alergias – por ser um leite adequado à espécie humana, diminui o risco de aparecimento de alergias ao leite.
  • Valor nutritivo – o leite materno fornece à criança todos os nutrientes na quantidade adequada às suas necessidades.
  • Imunidade – o leite materno tem propriedades antiinfecciosas.
  • Psicologia – a amamentação auxilia no desenvolvimento psicológico normal da criança, uma vez que permite a continuidade do contato íntimo mãe-filho.
  • Desenvolvimento – auxilia no desenvolvimento futuro da fala e da dentição.
  • Recuperação pós-parto – acelera a contração do útero no pós-parto.

O processo de amamentação é comandado por uma glândula denominada hipófise que está situada no cérebro. A sucção do seio estimula a produção de hormônios responsáveis pela contração e ejeção do leite materno através dos mamilos. Portanto, quanto mais o bebê sugar, maior será o estímulo à produção de leite.

Como todo o processo está diretamente ligado ao Sistema Nervoso da mãe, a ansiedade e tensão materna podem interferir na produção e "descida" do leite. Para maior sucesso na amamentação, recomenda-se que a mãe esteja em ambiente calmo, tranqüilo e confortável e aumente severamente a ingestão de líquidos.

Existem várias posições para amamentação e você deverá escolher aquela que proporcionar maior conforto a você e ao bebê. Após a escolha da melhor posição para amamentar, siga as seguintes orientações:

  • Posicione o bebê para que abocanhe toda a aréola.
  • Mantenha as narinas do bebê sempre livres, com um de seus dedos.
  • Deixe o bebê mamar por aproximadamente 15min. em cada seio.
  • Depois que o bebê dormir, retire o mamilo, pressione lentamente com um dedo o canto de sua boca.
  • Posicione depois o bebê na vertical para "arrotar", ao término de cada mamada.
  • Coloque o bebê no berço, de maneira confortável, de bruços ou do lado direito, com ajuda de um travesseiro.
  • Se o bebê apresentar dificuldade para sugar, peça auxílio ao pessoal de enfermagem.
  • A freqüência aos seios não requer horários muito rígidos, mas a mãe deve procurar estabelecer um ritmo regular assim que possível.
  • Nos primeiros dias de amamentação, poderá haver formação excessiva de leite. Se os seus seios se tornarem túrgidos, esvazie-os um pouco antes da mamada, facilitando, assim, a sucção do bebê.

Obs.: Deve-se oferecer os dois seios em cada mamada, iniciando-se preferencialmente pelo que foi oferecido por último na vez anterior. O ideal é oferecer o leite materno até o 6º mês de vida do bebê como alimento exclusivo (salvo em situações especiais).

O leite materno é uma verdadeira transfusão de saúde e lembre-se: amamentar é, acima de tudo, um ato de amor!:

Cuidados com os seios

Durante os primeiros dias após o parto, ocorre a apojadura ou descida do leite. Por isso, neste período, os seios podem ficar mais pesados, endurecidos, quentes e sensíveis. Se ocorrer ingurgitamento ("leite empedrado"), ou fissuras e rachaduras, alguns cuidados poderão ser tomados de forma a proporcionar a continuidade da amamentação como:

  • Uso de compressas úmidas ou banho morno massageando circularmente, a partir da base do mamilo. Isto tornará a aréola mais flexível e macia, diminuindo a sensação dolorosa.
  • Iniciar a amamentação pelo seio menos túrgido para minimizar o impacto da força de sucção do bebê faminto.
  • Quando houver excesso de leite após a mamada, deve-se realizar a ordenha deste leite e, se possível, armazená-lo para uso do recém nascido se houver necessidade.
  • Alterne os seios para amamentação.
  • Os mamilos devem ser limpos com água morna e bem secos após as mamadas.
  • Utilizar "sutiã" de algodão, evitando abafar os mamilos com protetores muito perfumados.
  • Evitar o uso excessivo de lubrificantes, de difícil remoção, que tornam a pele mais sensível.
  • Utilizar bombas de ordenha somente em casos necessários.

Utilizar focos de luz, durante 10 a 15 min., mantendo 30cm de distância do seio ou expor os seios ao sol da manhã (7h às 10 h) por 5 a 10 min.

Voltar as dicas de maternidade >>